TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO MARANHÃO MANTEM A SENTENÇA DE.ANTONIO BORGES.JAMES DA FONSECA. GERALDO HENRIQUE MENESES. ANTONIO SILDEMIR DA SILVA MOREIRA.ILDENOR GONSALVES.E PEDRO RODRIGUES

02/02/2018 - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO MARANHÃO MANTEM A SENTENÇA DE.ANTONIO BORGES.JAMES DA FONSECA. GERALDO HENRIQUE MENESES. ANTONIO SILDEMIR DA SILVA MOREIRA.ILDENOR GONSALVES.E PEDRO RODRIGUES

SENTENÇA PARA O CASO PROVITA:
O Tribunal de Justiça do Maranhão mantém sentença dada pela Primeira Vara Criminal de Açailândia, que condenou sete homens pelo crime DE ESTUPRO A VULNERÁVEIS. O TJ manteve a condenação rechaçando a apelação de Antônio Borges Neto (advogado), Antônio Sildemir da Silva Moreira ( Vulgo Paraibinha), Geraldo Henrique Menezes da Silva (empresario), (agropecuarista). Ildenor Gonçalves dos Santos ( na época secretario de infraestrutura de Açailândia) e irmão Ildemar Gonsalves ex prefeito de Açailândia, Luís James Fonseca Silva  (advogado), (agropecuarista) Pedro Rodrigues de Sousa (Pedão da Farmácia), CONDENADOS A 8 ANOS DE RECLUSÃO CADA, com cumprimento inicial em regime semi aberto, a pena foi com base no artigo 217-A do código penal, "ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos. Em relação a Fabiano Souza Silva, condenado com base no artigo 244-A do Estatuto da Criança e do Adolescente que se refere a " submeter criança ou adolescente a prostituição ou a exploração sexual", pela ocorrência de prescrição houve a extinção de sua punibilidade. 
E não podemos esquecer também de Oswaldo Filho (apresentador de TV) e Miro Ferraz (empresário do ramo de entretenimento) que também foram condenados pelo crime de Pedofilia em nossa cidade. 
Essas pessoas posam como cidadãos de bem, andam de cabeça erguida e suas vítimas que sofreram as consequências tendo que deixarem sua cidade por medo, represálias e ameaças. Essas pessoas são grandes exemplos vivos do patriarcado classista e capitalista que acreditam que criança pobre é para seu divertimento. 
NÃO PODEMOS ESQUECER DA CARA DESSES CRIMINOSOS NUNCA. 
Parabenizamos a Comissão da sociedade civil organizada que luta por JUSTIÇA e prontamente se dispuseram a ir de Açailândia a nossa capital acompanhar este julgamento: CDVDH/CB, Rede Justiça nos Trilhos, COMUCAA, CONTUA, Associação de moradores/as do Piquiá, Missionários Combonianos, Parentes das vítimas que se juntaram ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescentes - CEDCA, Centro de Defesa Marcos Passerini, a SEDIHPOP, CEDH todos estes de São Luís. 

RELEMBRE O CASO.

 

CPI da pedofilia em  Acailândia.
 

 

A cpi da pedofilia estevem em Acailandia nos dia 12 e 13 de novembro de 2009, desmascarando alguns nomes da nossa sociedade, e não são só pessoas da sociedade civil e sim nomes de alta importancia na cidade.
na manha desta quinta feira (12). Aconteceu na câmara municipal a primeira audiência Da cpi da assembleia legislativa   com duas horas devido a uma misteriosa queda de energia na localidade.
O primeiro a depor, na condição de testemunha, foi o radialista Jorge Quadros, que apresentou informações ao “Caso Provita”. Trata-se de uma possível rede de prostituição infantil denunciada por ele em 2005, na qual estão envolvidos empresários e políticos da região Tocantina.
O “Caso Provita” envolve sete acusados, todos com intimações para prestar depoimentos na CPI da Pedofilia. Um deles é Ildenor Gonçalves dos Santos, que teria grande influência política na região, e o advogado Antônio Borges Neto, que estaria se recusando a depor. Jorge Quadros relatou à CPI que em 2005, após a CPI da Prostituição Infantil que esteve em Imperatriz, recebeu uma denúncia de ouvintes, durante um programa que mantinha na Rádio Marconi FM, que uma pessoa de nome Fabiano agenciava adolescentes para “figurões” da cidade. O local usado para o contato do agenciador com as meninas seria uma lanchonete na praça do Pioneiro, em Açailândia.
“Só para se ter uma ideia da dimensão do poder dos acusados, todas as testemunhas que eles arrolaram no processo nunca foram localizadas pelos oficiais de justiça. Todas mudaram de cidade ou tinham endereço errado. Isso é um absurdo, é mera protelação”.
O fato é que o “Caso Provita”, após quase quatro anos, continua impune em Açailândia. Nenhum acusado foi preso até o momento. Além da impunidade, que incomoda a sociedade, a única coisa que aconteceu é que o radialista Jorge Quadros, que denunciou a possível rede de prostituição na região, foi demitido da rádio Marconi FM dois dias depois do agenciador ter prestado depoimento à polícia e declinado todos os nomes dos influentes que usam as meninas. 
Os trabalhos da CPI foram interrompidos para o almoço e continuarão com a oitiva dos acusados no “Caso Provita”. O próximo a depor será o agenciador, de nome Fabiano.

Fabiano disse em seu depoimento à polícia, à Justiça e à CPI na quinta-feira (12). Que os acusados Ildenor Goncalvez dos Santos(Imão do Prefeito de Acaiandia e atual secretario de obras) e Luis James(Professor formado em geografia) teria negociado um programa com as adolescentes que ele agenciava.Contou com riqueza de detalhes o ultimo encontro que teve com os dois acusados e as menores, que hoje se encontra no PROVITA, no seu relato Fabianos diz que que esteve com Luis James e três adolescentes, no ano de 2004, em um motel que seria de propriedade de Ildenor Gonçalves e que este também participou do programa com as meninas. Fabiano afirmou ter ficado durante o tempo todo no banheiro e que não se recorda de ter recebido qualquer dinheiro para levar as acompanhantes.
O depoimento de Fabiano foi cheio de contradições. Inicialmente ele negou conhecer o advogado Antonio Borges Neto e disse não saber do envolvimento dele com as meninas. Mais adiante, no mesmo depoimento, afirmou ter estado um dia na casa de Borges, onde duas adolescentes amigas suas estavam hospedadas há duas semanas fazendo programa sexual.

Fabiano também garantiu que não recebia dinheiro para agenciar meninas e que conheceu as duas adolescentes que denunciaram a prática de sexo com empresários e políticos de Açailândia em uma lan house, tendo participado com elas de “corujões” onde eram fotografadas nuas. Confirmou que muitos homens influentes ligavam para ele solicitando a companhia das adolescentes e que as mesmas recebiam dinheiro diretamente das mãos deles.

O possível agenciador afirmou que esteve em uma reunião com as duas adolescentes, convocada por Luís Janes Silva e Ildenor Gonçalves, sendo que os dois prometeram pagar a elas R$ 10 mil para que não prestassem qualquer informação à polícia sobre este caso, dinheiro este que elas não aceitaram receber e que por isso teriam sido ameaçadas por James e Ildenor.

Fabiano ainda pediu que continuasse a falar mais coisas que sabia numa reunião fechada com os integrantes da pedofilia foram do publico. Pois segundo ele, por saberem que a CPI iria chegar aqui, muitas ameaça surgiram contra ele. Por isso motivo Fabiano esta encapuzado pra não ser identificado e a CPI se encarregou de coloca-lo sobre a protecão de testemunhas.
Aceito o pedido de Fabiano ele foi ouvido em particular.
Na volta da longa conversa com a testemunha, a presidente da CPI a deputada  Eliziane Gama (PPS), colocou para a assembleia que o testemunho de Fabiano foi de muito valor pra esclarecer esse caso.
A CPI também ouviu à tarde uma vítima da prostituição de Açailândia, que prestou depoimento com o rosto coberto. Hoje ela está casada e com filhos, mas afirmou que participou de orgias sexuais com outras duas adolescentes, patrocinadas pelos mesmos homens que figuram como acusados no “Caso Provita”. A informante disse ter sido agenciada, por Fabiano, por volta de 2004, para os programas sexuais junto com as duas colegas e que recebia cada uma cerca de R$ 30.E ficou pra dar continuidade no dia seguinte pois faltava muitos acusados pra depor.

Em seguida foi ouvido o Geraldo Henrique Menezes, o “Geraldo da Motoca”, um dos sete envolvidos no “Caso Provita”. Ele depôs perante os membros da comissão na condição de testemunha, embora figure no processo como acusado. Geraldo se fez acompanhar por dois advogados e negou durante todo o depoimento que conhecesse as meninas que o acusaram da prática de orgias sexuais em motéis da cidade.
Geraldo Menezes derramou lágrimas perante a CPI, jurando nunca ter saído com garotas de programa ou ter pago qualquer mulher em toda a sua vida para a prática de sexo. Disse que toda a sua família é evangélica, tem dois filhos, ama e respeita a sua esposa.

Ele também negou conhecer Fabiano Sousa Silva, que seria o agenciador de meninas para pessoas influentes de Açailândia. Admitiu conhecer apenas outros dois acusados – Luís Janes Silva e Silva e Ildenor Gonçalves, mas que nunca saiu com eles ou fez parte do círculo de amizade de qualquer um deles.

Parte das informações prestadas por “Geraldo da Motoca” foram de encontro às informações prestadas à CPI pelo estudante Fabiano Sousa Silva, em depoimento à tarde, ele confirmou que à época em que o caso veio à tona, por volta de 2004, ter visto Geraldo em uma lanchonete na praça do Pioneiro na companhia de adolescentes.

Geraldo foi liberado do depoimento pra aguardar quaisquer Manifestação  da CPI.

 

19225657_1481824505171136_416429470878985310_n

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação do Advogado Dr Antonio Borges Neto por  a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi aberto.

 

184419_455020561222422_1168218541_n

 

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação do Advogado Dr James Fonseca  por  a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi aberto.

 

13051573_281785298820302_2640401672259777104_n

 

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação do Empresario Antônio Sildemir da Silva Moreira o popular Paraibinha  a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi.aberto.

 

ILDENOR12669650_1551478065163077_5001437125841223687_n

 

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação de Pecuarista. Ildenor Gonsalves Irmão do ex prefeito Açailândia Ildemar Gonsalves  a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi.aberto.

 

 

foto28

 

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação do Empresario  Geraldo Henrique Meneses. a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi.aberto.

 

peda

Tribunal de Justiça do Maranhão  manteve  a condenação de Pecuarista. Pedro Rodrigues de Sousa,  o popular Pedrão da Farmácia   a 08 anos no caso provita de Açailândia. cumprimento  inicial em regime semi.aberto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Veja Também

Publicidade

Açai Vip no Facebook

Publicidade

PUBLICIDADE

(99)9201-6907

(99)8157-9842

Claro: (99(84260789

88125470

2014 - Acaivip.com.br, Todos os direitos reservados

Desenvolvido por: Elton Oliveira